Privacidade Hackeada e a mídia

Privacidade Hackeada

Hacker (*)

Em primeiro lugar, o termo hacker tem sido completamente vilipendiado e desvirtuado nos últimos tempos. Um desrespeito protagonizado pela mídia e por aqueles que não sabem da missa metade do significado e simbolismo do termo título Privacidade Hackeada. Assim sendo, quando um termo une-se a outros para adjetivá-lo, se os conceitos primários não são bem definidos, ferra tudo.

Privacidade Hackeada

Um documentário do canal de stream Netflix (Privacidade Hackeada), tem significado substantivo da expressão e vai além de adjetivações equivocadas. A obra não-ficção traz uma profunda argumentação para que as pessoas pensem sobre a privacidade online.

O documentário deveria ser exibido em rede nacional de TV, só assim teleguiados entenderiam o tamanho da encrenca. O enredo gira em torno de uma empresa chamada “Cambridge Analytica” que manipula opiniões e gente fraca mentalmente, em duas questões globais graves: Brexit e Eleições dos EUA em 2016.

Como não faço spoiler de filme, inclusive e, principalmente sobre documentários, fica somente o desejo de que as pessoas vejam o filme e pensem (isto vai doer !).

Urna Eletrônica

Escrevi, anteriormente, sobre episódio de uma série em que existia a suspeita de fraudes eleitorais. Chamei aquele texto de “Scandal – Urna Eletrônica” mas continuo no firme propósito de negar chamar aquilo de Urna. mais apropriado chamá-la de máquina (ou arapuca) de votar.

Algum tempo atrás, conheci um professor virtualmente, Prof. Dourado, que me fez um elogio (pelo menos entendi assim) sem que me conhecesse e sobre algo que havia escrito. Isto foi antes dos anos 2000 e falávamos da privacidade do voto eletrônico. Naquele momento, escrevíamos que o voto não era seguro, como direito constitucional. Fiz uma representação e fui condenado pelo juiz eleitoral da Comarca na qual sou alistado. Desde então, conheci pessoalmente o professor Pedro Rezende e mais de uma centena de pessoas. Nesse ínterim, venho sofrendo perseguições e ameaças por tentar mostrar que nem diante da urna eletrônica tínhamos privacidade garantida.

A privacidade do voto foi hackeada desde a implantação da máquina de votar pelo TSE. E é provável que apenas os tolos pensem estarmos numa democracia. Mais de vinte anos depois, e após muita negação das pessoas, inclusive de profissionais de segurança, vejo o documentário e não posso deixar de me manifestar e dizer: EU AVISEI !

Ética e Moral

É impressionante como o mundo conectado une pessoas e afasta mentes e corações. Fiz e desfiz amizades desde que comecei a utilizar (profissionalmente e pessoalmente) a Internet e Redes Sociais. Assim sendo, ganhei inimigos por conta do comportamento de pessoas medíocres que não separam opiniões de fatos. O mundo saiu do “todos são inocentes até prova em contrário“, passou pelo “todos são culpados até prova em contrário” e chegamos num mundo de privacidade hackeada onde “meus amigos, mesmo virtuais, que pensam como eu, são inocentes, e quem pensa diferente é culpado“.

Do ponto de vista filosófico, ética e moral estão sendo jogados no esgoto destas Redes Sociais. Gerações inteiras não entendem e não querem “perder tempo” entendendo, só sabem ter dedinhos ágeis. Não estão nem aí se a sua privacidade é hackeada, não estão minimamente preocupadas em entender o que é ético e moral. Estão conectados 24 horas por dia e desconectados de toda a realidade que o seu imediatismo não interessa. Afinal, esta gente tem pressa, só não sei pressa do que e pra quê.

Idiocracia e Privacidade Hackeada

Tenho dito e repetido, até comecei a fazer transliterações do livro “A República da Panakia“, em vão pois a preguiça mental das pessoas não deixa que avancem além dos 140 caracteres que eles adoram.

Em síntese, entramos na Era da Idiocracia e estupidez explícita e o que mais nos deixa boquiabertos é a quantidade de seguidores, defensores e disseminadores de sandices e idiotices. Terra plana, Efeito Estufa, pesquisas científicas, ladrões de púlpito, armamento, fuzilamentos, abuso de autoridades, descalabros judiciais, etc. Enfim, um mundo inteiro de imbecilidade desabando sobre nossas cabeças e muita gente nas redes sociais, tendo sua privacidade hackeada, e achando “normal” ou paranoia alheia.

 

(*) Hacker é uma palavra em inglês, usada atualmente no âmbito da informática. Conceitualmente, deveria indicar que uma pessoa que possui interesse e um bom conhecimento em qualquer assunto, muito além de tecnologia da informação. Este interesse, provoca conhecimento, na maioria dos casos através de auto estudo e sem muitos rigores acadêmicos e científicos. Esta pessoa é altamente capaz de fazer hack (uma modificação) em algum sistema tradicional. Daí a adjetivação pode começar a ser entendida pelas pessoas. Estão modificando a sua personalidade através do hackeamento da sua privacidade. Portanto, a palavra hackeada é uma adjetivação mal resolvida de uma palavra mal definida na sua

 

Charge: Calvin and Hobbes

P. S. –  Reitero também o pedido feito em muitos momentos da vida deste blog e presente na página de “Advertências“. Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas. Coloquem aqui nos comentários ou na página do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.