Escrava Madalena - Reprodução - O São Gonçalo

A escrava Madalena e o segredo dos Milagres Rigueira

Escravidão

Alguns anos atrás, fiscais do Ministério do Trabalho foram assassinados na região noroeste de Minas Gerais, por fazerem fiscalização contra a escravidão de latifundiários. Isto aconteceu mais de 120 anos após “decretada” a Abolição da Escravatura. Imaginou-se que aquele 13 de maio seria uma data histórica, contudo, não passa de mais uma farsa perpetrada nos livros de história do país. A discussão vai longe e quando constatamos que um negro à frente da Fundação Palmares renega a história de escravidão, ficamos pensando que é o fundo do poço. Ledo engano, na esteira destas crueldades da pandemia, descobrimos a história da escrava Madalena.

Escrava Madalena

Anteriormente, já descrevi sobre a postura de alguns (ainda bem que são poucos) negros que são negacionistas. Sérgio Camargo da Fundação Palmares é o aprendiz de plantão. Além dele tem o Holiday e outros, já tratados aqui mesmo em outros textos (e. g. “Movimento Negro e os Beócios“.

Desse modo, com os ataques às minorias e aos movimentos em defesa das vítimas desta história macabra, não é surpresa que a vida da escrava Madalena tenha sido escondida durante tanto tempo. A família “Milagres Rigueira” cometeu, nos últimos 40 anos, vários crimes, inclusive o de escravidão. Como se não bastasse, a família, em plena pandemia, ainda usufrui de benefícios como o “Auxílio Emergencial”.

Milagres Rigueira

A história, visível, de crimes da família é de fazer corar de vergonha qualquer pessoa minimamente humana. Certamente a família encontrará advogados com discurso de que “merecem defesa”. É o mesmo que dizer que o presidente de uma determina nação que manda seu exército atacar outro país com falsos motivos merece defesa.

Estes escravocratas devem ter recebido uma educação bem exemplar. Usaram a idade avançada de um combatente da FEB para continuar recebendo a pensão via casamento falso com a escrava Madalena.

Nos últimos meses, usaram parte da pensão da escrava dominada para pagar estudos das filhas/netas que era complementado pelo “Auxilio Emergencial” do governo. O assunto ganhou manchetes no mundo e não causou uma indignação mínima que fosse algo de relevância. Assim como outros crimes ( o crime de Mariana continua impune ) vamos para o “vai terminar em pizza”.

Que outros segredos os Milagres Rigueira, e tantos outros sobrenomes “famosos” estariam guardando ?

A escrava Madalena na mídia

Com toda a certeza, ainda é pequena a repercussão midiática no Brasil sobre este crime e suas implicações, extensão e decorrências. Nem uma palavra sequer da Fundação Palmares e seu aprendiz de Capitão-do-Mato. Por outro lado, alguns dirão que “… mas o Fantástico fez matéria …), eu diria: grandes merdas.

Não consigo ver na sociedade no geral nem 1 % da indignação que estou sentindo neste caso. Vejo muita matéria na mídia e quase nada nas redes sociais destacando os valores da pensão roubada da escrava Madalena e dos benefícios roubados dos que precisam. Ainda não vi a repercussão chegar nem aos pés de alguma fofoca sobre o que faz o Luciano Huck ou o traje prateado do Neymar.

Que país é este ?

É o país que não deu certo porque descendentes de escravos não se importam com fiscais que pretendiam eliminar escravidão sendo assassinados; é o pais onde professores universitários, em suas salas de café, conviviam com um escravocrata e se calam de maneira criminosa. Somos uma nação governada por párias sociais e onde vamos todas as chances de mostrar que tínhamos um futuro.

A “culpa” ( detesto o uso desta palavra ! ) é nossa, é de todos, por ação ou por omissão.

Fico imaginando quantos filhos foram adestrados por um  “professor” como este Dalton César Milagres Rigueira. e pais que tiveram seus filhos como alunos, nem se tocam. Se bem que a citação do nome deste crápula e da mãe dele, Maria das Graças Milagres Rigueira, poderia me render um processo, se este meu Blog tivesse leitores ou seguidores como tem um Neymar ou a Anitta.

A escrava Madalena é mais uma vítima desta demoníaca sociedade escravagista e que não causa furor nas redes sociais. E não tenho a mínima expectativa de um levante, nem nas redes sociais e engajados de plantão.

Montesquieu

Montesquieu estava certo quando cunhou diversas frases sobre democracia, leis e sociedade (ver “Revisitando Montesquieu no Século XXI“. As dez frases ali citadas encaixam-se perfeitamente na história trágica e cruel da escrava Madalena, especialmente uma: ”

A injustiça que se faz a um, é uma ameaça que se faz a todos

Enfim, parafraseando a música, a minha indignação é uma mosca sem asas que não ultrapassa as linhas deste texto. Pode ser lida (ouvida) por alguns poucos mas não entendem o significado no contexto histórico que estamos vivendo, ou seria sobrevivendo?

Não deu certo

Em suma, não é o pais que não deu certo. O país tropical, bonito por natureza, conforme a anedota, é comandado por capitães-do-mato a serviço das oligarquias como os escravistas; os escravistas surgiram no Egito antigo e muitos teórico ainda tentam justificar estes crimes e seu modo de produção dizendo que “negros escravizando negros foram o começo de tudo“.

Creio que não me faço entender pelas coisas que escrevo, a questão a que foi submetida a escrava Madalena é reproduzida em vários outros momentos e locais.

Enquanto noutro país inicia-se uma rebelião por um policial branco assassinar um negro inocente, no Brasil negros com alvará para matar, assassinam um cliente de supermercado. A indignação no Brasil é nula, de pleno direito e adestramento.

Nossa sociedade faliu, as redes sociais engoliram a mídia que está no seu estertor enquanto “poder” e déspotas pouco esclarecidos ainda tentam rotular como “vitimismo”. #VTNC !

Peço desculpas à escrava Madalena pelo silêncio obsequioso de nossa sociedade, inclusive de certos padres que mandam rezar o “Pai Nosso”. Que você encontre o apoio e força necessária para tentar reconstruir sua vida. Admiro-a por sobreviver e ainda assim, querer estudar, direito que lhe foi cerceado pelos crápulas que lhe fizeram escrava.

Mesmo que a Lei Áurea tenha sido assinada muito antes de você nascer, você foi aprisionada de forma cruel e não tem recompensa que apague seu sofrimento.

Perdoe-me por tratá-la como escrava Madalena, se nossa sociedade não a vê assim, é porque nada deu certo. Você não viveu em “regime análogo à escravidão” ( eufemismo maldito ! ) você foi uma escrava que resistiu em pleno Terceiro Milênio.

É VERDADE

Espaço destinado a verdades em Pindorama que se contar, ninguém acredita e, provavelmente, não serão notícias boas. Será feita ao menos uma indicação por texto e, eventualmente, mais de uma poderá ser publicada.

 

Imagem: Reprodução O São Gonçalo

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários ou na página do Facebook, associada a este Blog, certamente serão todos lidos e avaliados.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.