Bom Dia, Verônica - Reprodução Netflix

Quem dera, Verônica !

Uma Série e Índios

Bom Dia, Verônica é uma série de TV policial ambientada e produzida no Brasil. É uma ficção; contudo assemelha-se muito à vida real, inclusive pela manipulação das informações que autoridades e mídia protagonizam no Brasil. Escrevi sobre séries baseadas em fatos reais, como “O Mecanismo dominante Tupiniquim“, também policial-política e a repercussão é fraca. A princípio “Bom Dia, Verônica” não impressiona pois nos acostumamos com programas televisivos sanguinários, infelizmente estamos acostumados à violência dos primeiros episódios que nem provocam comoção.

Uma vez que as músicas que integram uma série dizem mais do que uma simples leitura da letra, é recomendável prestar atenção nestas canções. De fato, uma das músicas dessa série a letra resume quase tudo nas linhas e entrelinhas, e ainda permite um gancho para continuidade da trama. Fazendo um pequeno spoiler, a música a que me refiro é Índios, portanto, um dos hinos da banda Legião Urbana, mesmo que a interpretação na série não tenha sido deles.

Verônica, A vítima

As estrofes da música Índios podem até não representar diretamente a personagem ( Verônica – Tainá Muller ). Entretanto a produção musical sendo de Dado Villas-Boas fica patente a percepção do músico para colocar a referida canção.

Por exemplo, no verso a seguir, a questão do Deus que muitos brasileiros têm louvado, do Presidente da República ao mais humilde mortal acometido por Covid-19 para estar relacionada.

“… Quem me dera, ao menos uma vez,
Entender como só Deus ao mesmo tempo é três
E esse mesmo Deus foi morto por vocês
É só maldade então, deixar um Deus tão triste.

é um verdadeiro desafio aos espectadores já que não conseguem ter um discernimento amplo e associar uma ficção à nossa realidade.

A mídia, as instituições e vários personagens, muito bem representados no enredo, são “cuspidos e escarrados” como na realidade. Verônica é uma personagem que luta contra o sistema, como poucos fazem. Em outras palavras, ela coloca sua vida e a de seus familiares sob risco de morte, para tentar proteger quem mal conhece.

Noutro verso,

“… Quem me dera, ao menos uma vez,
Que o mais simples fosse visto como o mais importante…”

A protagonista entende e cuida de vindicar a igualdade com o mais simples e menos protegido sendo equiparado ao mais importante e poderoso.

Existem personagens como a atriz que faz o papel de policial honesta e correta ?

Surpreendentemente, a resposta é SIM. Certamente não são muitos e não possuem a coragem de uma Verônica.

Quem me dera, houvesse, muitos como ela, que mesmo sendo vítimas, vão à luta, se entregam e enfrentam o sistema. Por outro lado, algumas ações dentro do roteiro são condenáveis, até abomináveis e indignas. Se as primeiras cenas e episódios iniciais não trazem muita atenção, a série vai ganhando contornos mais pesados e prendendo a atenção.

Verônica, A Policial

A policial, que exerce atividade principal de Escrivã, é retratada como uma intrometida e que não deve meter o nariz onde não é chamada. Talvez a expressão refere-se ao mau cheiro que exala de muitas coisas que vemos no dia-a-dia e que vamos nos acostumando.

Se bem que o Brasil está se tornando o país de falsos cidadãos deitados eternamente em berço esplêndido. Aquele que deixa roubar uma rosa do jardim e passivamente aceita pisarem e acabarem com seu jardim.

Em suma, outro verso da personagem demonstra que o trabalho honesto é árduo, incompreendido e, na maioria das vezes, solitário e incompreendido.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Acreditar por um instante em tudo que existe
E acreditar que o mundo é perfeito
E que todas as pessoas são felizes.

Quem me Dera

Tenho escrito muito sobre séries com o propósito de tentar “transcrever” as tramas para o mundo real. Verônica não me impressionou a ponto de dar uma nota superior a 7 (sete), segundo critérios similares aos de “Rotten Tomatoes” ). A crítica social na série é constante, tudo o que vemos nos telejornais sobre violência, feminicídios, abuso de autoridade, formação de quadrilha, problemas com Poderes de Estado está representado. É provável que até nos personagens que não tiveram direito nem a uma fala a representação do abuso físico e mental, seja exposto com intensidade.

A série 3% me impressionou, por se tratar de uma ficção repleta de cenas imaginárias. Enquanto isso, a série sobre a policial-escrivã lutadora é eivada de vida real com pitadas de ficção. Desse modo, não é uma série recomendada para quem que somente passa tempo e não se preocupa com o enredo de sua vida atual.

Parafraseando o verso

Nos deram espelhos e vimos um mundo doente –
Tentei chorar e não consegui.

Escrevo que nos deram conexões com o mundo via Internet, tento chorar e não consigo, a indignação e adinamia só crescem.

Sinopse

Estrelado por Tainá Müller, Eduardo Moscovis, Camila Morgado e Elisa Volpatto, a série seguirá a história de Veronica Torres, Escrivã de Polícia que trabalha em uma Delegacia de Homicídios em São Paulo (SP). Casada e com dois filhos, sua rotina acaba sendo interrompida quando ela testemunha o suicídio chocante de uma jovem mulher. Nesse ínterim, ela recebe um telefonema anônimo de uma mulher desesperada, pedindo ajuda para uma violência doméstica.

Base da sinopse: Wikipedia

 

É VERDADE

Espaço destinado a verdades em Pindorama que se contar, ninguém acredita e, provavelmente, não serão notícias boas. Será feita ao menos uma indicação por texto e, eventualmente, mais de uma poderá ser publicada.

 

Imagem: Reprodução Netflix

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários ou na página do Facebook, associada a este Blog, certamente serão todos lidos e avaliados.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referem-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.